Como construir sua taxonomia de conteúdo

pessoas discutindo ideias

Taxonomia de conteúdo é um esquema de classificação de todas as peças de conteúdo criadas por uma empresa, a fim de facilitar a localização, compartilhamento e monitoramento da performance da sua estratégia de conteúdo.

Essa sistematização leva em consideração o eixo temático trabalhado, o título das postagens, palavras-chave primárias e secundárias, categorias e tags atribuídas a cada conteúdo digital, possibilitando o agrupamento de conteúdos semelhantes.

Quer aprender como criar a sua própria taxonomia de conteúdo? Siga em frente com a leitura!

 

Qual a importância da taxonomia no marketing de conteúdo?

Quando elaboramos uma estratégia de marketing de conteúdo, priorizamos alguns temas que são mais relevantes para a nossa audiência e desenvolvemos conteúdos em torno do que chamamos de eixos temáticos.

À medida que vamos nos afastando desse centro, vai ficando cada vez mais difícil ter o controle total da estratégia, bem como dos resultados que ela traz. É aí que entra a taxonomia de marketing de conteúdo.

Ela nos permite rastrear toda e qualquer peça de conteúdo criada de forma simples e ágil. Mas não é só por isso que você deve investir em taxonomia de conteúdo. Confira outros motivos a seguir:

 

Facilita a definição de objetivos e metas

A criação de conteúdo para sites e blogs deve estar sempre atrelada a objetivos e metas claros. O aumento de tráfego no site, a conquista de mais leads, a conscientização da marca e o aumento de vendas são alguns exemplos de objetivos que o marketing de conteúdo pode ajudar a atingir.

Ao desenvolver uma taxonomia de marketing de conteúdo você visualiza com mais facilidade quais são os tópicos mais importantes a abordar dentro de cada eixo temático, respondendo às necessidades do seu público com mais eficácia.

 

Permite identificar lacunas de conteúdo

Criar uma taxonomia de conteúdo também auxilia na identificação de lacunas no seu planejamento de marketing de conteúdo. Basicamente, você cria um mapa de todo o conteúdo disponível e pode verificar, de forma bastante assertiva, que tipo de informação relevante sua empresa ainda não respondeu.

As lacunas também podem se referir ao tipo de conteúdo que sua audiência mais consome. Se você percebe que infográficos fazem mais sucesso do que podcasts, por exemplo, pode flexibilizar sua taxonomia para priorizar a elaboração de infográficos e assim captar clientes na internet com mais facilidade.

 

Favorece a segmentação de público

A taxonomia de marketing de conteúdo contribui para a segmentação do seu público, permitindo que você crie conteúdo personalizado para uma ou mais audiências.

Com base na sua taxonomia e no comportamento dos usuários, é possível criar fluxos de nutrição específicos para cada caso e, inclusive, sugerir conteúdos relacionados quando um lead visita o seu site.

 

Agiliza a jornada de compra

Uma das vantagens do marketing de conteúdo é influenciar o comprador ao longo da sua jornada, educando-o e informando-o sobre o seu mercado.

Ao aplicar uma taxonomia de conteúdo, você compreende com mais facilidade qual é o caminho percorrido por seus visitantes dentro do blog e pode otimizar a jornada do cliente, criando fluxos de conteúdo que o levem à tomada de decisão com muito mais rapidez.

 

Otimiza a auditoria de conteúdo

Auditoria de conteúdo é um processo de análise que tem por objetivo identificar pontos de melhoria na sua estratégia de content marketing.

O período mínimo recomendado para fazer uma auditoria de conteúdo é a cada ano, porém, isso pode variar conforme o volume de conteúdos que a sua empresa compartilha mensalmente.

Ao investir em uma taxonomia de marketing de conteúdo, você otimiza esse trabalho por já ter um mapeamento de conteúdo praticamente completo. Basta acrescentar as análises e proceder os ajustes necessários para que você tenha uma estratégia ainda melhor.

 

Melhora a experiência do usuário

A implementação de uma taxonomia de conteúdo ajuda os usuários a descobrirem coisas novas em seu site, favorecendo indicadores como tempo de permanência no site e redução da bounce rate.

O número de páginas por sessão é outro indicador de marketing de conteúdo que pode ser melhorado ao criar uma taxonomia de conteúdo para o seu site e blog.

A taxonomia no marketing de conteúdo também pode contribuir para o aumento do ciclo de vida do conteúdo, uma vez que, com a classificação certa e a otimização das suas páginas, conteúdos relevantes e mais antigos podem continuar recebendo visitas significativas.

 

Quais são os tipos de taxonomia no marketing de conteúdo?

Cada pessoa faz associações entre palavras e seus significados de uma forma própria. A maneira com que estabelecemos essas conexões é influenciada por uma série de fatores, que vão desde a nossa formação escolar até as nossas experiências pessoais.

É por esse motivo que temos pessoas que aprendem criando listas com bullet points enquanto outras absorvem melhor o conhecimento criando mapas mentais.

Diante disso, é fundamental que conheçamos as formas com as quais podemos rotular e classificar um conteúdo, segundo o comportamento dos usuários.

 

Taxonomia plana

A taxonomia plana conta apenas com categorias de nível superior, criando uma estrutura horizontal para o seu site. Ela é característica de sites que possuem poucas páginas.

Um site que tenha uma taxonomia plana, ao ser visualizado em forma de gráfico, seria assim:

 

gráfico de hierarquia plana

 

Taxonomia hierárquica

A taxonomia hierárquica é um pouco mais complexa e costuma ser representado como um fluxograma, com subpáginas que vão se ramificando.

As páginas que estão mais próximas do topo da hierarquia são mais importantes, algo que é facilmente transmitido aos robôs que rastreiam a web em busca de conteúdo.

É por esse motivo que a home de um site costuma ter um posicionamento muito melhor do que as demais páginas.

Visualmente, uma taxonomia hierárquica seria desse jeito:

 

gráfico de hierarquia

 

Taxonomia poli-hierárquica

Uma variação da anterior, a taxonomia poli-hierárquica é aquela em que um mesmo conteúdo pode figurar em duas categorias distintas. Por exemplo, quando criamos um post que aborda as diferenças entre SEO e SEM, podemos inseri-lo tanto na categoria SEO quanto na categoria SEM.

 

gráfico polihierárquico

 

Taxonomia de rede

Uma taxonomia de rede faz associações entre categorias, criando gráficos de conhecimento. Esta é a base do Knowledge Graph, maior biblioteca de conhecimento virtual do mundo, desenvolvida pela Google.

Na taxonomia de rede, a relação entre os itens pode não ser tão objetiva quanto na taxonomia plana, pois levamos em consideração a correspondência semântica para fazer conexões mais inteligentes entre os conteúdos.

Este é o modelo que usamos aqui na ÀBrasileira para criar nossos planejamentos de conteúdo, pois ele permite expandirmos indefinidamente as correlações entre os tópicos abordados e criar maior relevância para os usuários.

 

gráfico de rede

 

Taxonomia de facetas

Essa taxonomia costuma ser usada em sites de e-commerce devido à quantidade de variantes que podem ser atribuídas a um determinado produto.

gráfico facetasPor exemplo: se você está em busca de um tênis, algumas das variáveis possíveis são:

  • cor;
  • numeração;
  • marca;
  • preço;
  • material;
  • tipo de uso (esporte, social);
  • entre outras.

Aplicar todas essas características ao marketing de produto é, sem dúvida, um grande desafio. Porém, com a otimização adequada, uma loja virtual pode performar muito melhor.

 

Primeiros passos na construção de uma taxonomia de conteúdo

Alguns softwares de gestão de conteúdo já trazem os campos necessários para que você construa uma taxonomia de marketing de conteúdo. Porém, como isso não é regra, aqui vão dicas para que você possa desenvolver seu próprio modelo.

 

Eixo temático

É o tópico central que você vai desenvolver. Geralmente, ele representa o que chamamos de main keyword, ou seja, uma palavra-chave ampla.

Uma loja de camisas, por exemplo, poderia definir como eixo temático “camisas masculinas”. E, a partir daí, encontrar palavras-chave long tail para aplicar em seus conteúdos evergreen, tais como “camisa social masculina” ou “camisa esporte masculina”.

 

Persona

A definição de personas permite compreender com mais facilidade para quem estamos escrevendo determinado conteúdo. Leva-nos, ainda, a identificar que tipo de conteúdo precisamos compartilhar e que respostas devemos dar para gerar maior engajamento.

Nesse sentido, considere inserir essa informação na sua taxonomia de marketing de conteúdo. Assim será mais fácil identificar lacunas de conteúdo para cada público atendido pela sua empresa e otimizar suas ações para obter melhores resultados.

 

Jornada

Em qual etapa da jornada de compra seu conteúdo se localiza? Que tipo de resposta ele dá para a sua audiência e como contribui para que o usuário dê o próximo passo?

Compreender o papel que seu conteúdo online exerce na jornada de compra é fundamental tanto para promover uma experiência única com seu conteúdo como para identificar possíveis brechas que possam ser sanadas com informações relevantes.

 

Tipo de conteúdo

A taxonomia de conteúdo também deve prever o tipo de conteúdo que foi criado. É um blog post? Um e-book? Ou um infográfico?

Ter essa consciência ajudará na diversificação do seu mix de conteúdo e também na identificação de qual formato faz mais sucesso com a sua audiência. Consequentemente, você terá dados concretos para otimizar sua estratégia.

 

Autor

Saber quem desenvolveu cada conteúdo é uma bela forma de acompanhar a performance da sua equipe de produção de conteúdo para web.

Tendo dados confiáveis, você delegar tarefas com mais assertividade, assim como distribuir temas segundo as habilidades da sua equipe.

Essa simples medida vai acelerar seus resultados e garantir que todos estejam satisfeitos com a participação nos resultados de marketing de conteúdo da empresa.

 

Tags e categoria

As tags e categorias ajudam a segmentar seu conteúdo de forma que ele seja agrupado em torno de eixos temáticos. As categorias costumam ser mais amplas, usando palavras-chave amplas, enquanto as tags abordam termos mais longos, ou palavras-chave long tail.

Assim, você pode filtrar seus conteúdos por tags ou categorias e identificar com maior precisão o que ainda falta abordar na sua estratégia de produção de conteúdo digital.

Uma empresa de consultoria educacional, por exemplo, poderia ter a categoria “inbound marketing educacional” e, dentro dela, as tags “retenção de alunos no ensino fundamental” e “como captar alunos para escola particular”, por exemplo.

 

Canais de distribuição

É válido, ainda, listar os canais de comunicação que serão ou foram utilizados para compartilhar cada conteúdo. A análise da performance de cada canal pode ajudar a determinar quais são mais efetivos para cada tipo de conteúdo, fornecendo ainda mais insights para que você construa uma excelente reputação online.

Todas essas informações podem ser agrupadas em uma planilha do Google Sheets e compartilhadas com toda a empresa, socializando a taxonomia de conteúdo e facilitando o acesso ao conhecimento compartilhado nos mais diversos canais de comunicação da organização.

 

Implementando sua taxonomia de marketing de conteúdo

O marketing de conteúdo não fica limitado ao time de marketing. Ele influencia o trabalho de outras pessoas dentro da companhia, como o time de vendas e o time de criação. Nesse sentido, antes de implementar sua taxonomia de conteúdo, faça um brainstorming com todos os envolvidos.

Depois de definir como a taxonomia será sistematizada, parta para a implementação.

 

Curadoria de conteúdo

Caso sua empresa já venha desenvolvendo conteúdo para blog há alguns meses, cabe fazer uma curadoria do conteúdo já existente com o intuito de inserir essas publicações na sua taxonomia e organizar a casa de uma vez por todas.

Essa retrospectiva pode servir para rever a sua estratégia até aqui, eliminar conteúdos que não têm performance, redirecionar outros e assim otimizar o trabalho da sua equipe daqui em diante.

 

Comunique

É importante, também, comunicar a toda a empresa a nova prática, conscientizando sobre a importância dessa classificação para obter melhores resultados a longo prazo.

Os profissionais mais próximos e que são mais impactados pela mudança devem ser acompanhados de perto. Um treinamento prático pode ser uma boa ideia para consolidar as informações.

 

Socialize as informações

Compartilhe sua estrutura de taxonomia de conteúdo com todos, seja por meio de uma planilha, um documento em pdf ou mesmo por meio do software de gestão de conteúdo da empresa.

É importante que todas as informações estejam disponíveis de forma simples e assertiva, facilitando a consulta.

 

Reveja sua taxonomia periodicamente

Assim como o marketing de conteúdo, sua taxonomia pode mudar ao longo do tempo a fim de atender à intenção do usuário e aos novos modelos de otimização de conteúdo para a web.

Portanto, não deixe de revisar seus registros com certa frequência, fazendo os ajustes necessários para que o seu conteúdo se mantenha relevante e de fácil acesso para o seu público.

Curtiu saber mais sobre como construir uma taxonomia de conteúdo? Aprenda como criar um blog de sucesso e aplique todos esses conhecimentos!